Pular para o conteúdo

A cidade do Rio de Janeiro é muito conhecida pelas suas festas praias e belezas naturais. Porém um dos principais pontos turísticos da cidade e considerado como uma das sete maravilhas do mundo moderno, foi um monumento inaugurado em outubro de 1931.

A ideia de construir uma estátua em homenagem à Jesus Cristo surgiu por volta de 1921, com o objetivo de realizar a inauguração no ano seguinte como um marco da do primeiro centenário da independência do país.  O primeiro idealizador do monumento foi o padre francês Pierre Marie Boss, também identificado em alguns registros como Pedro Maria Boss.

Foram realizadas reunidas para definir o local o ficaria a estátua, entre as opções havia o Monte Corcovado, o Pão de Açúcar e o Morro de Santo Antonio. A ideia de integrar a estátua com a natureza favoreceu o Monte Corcovado pela densa região de mata atlântica.

A partir de então foi realizada uma mobilização nacional para arrecadar os fundos necessários e posteriormente definir os responsáveis pelo projeto. Que ficou por conta do desenhista Heitor da Silva Costa, o pintor Carlos Oswald e o escultor Maximiliam Paul Landowsky. A estátua levou cinco anos para ficar pronta e foi inaugurada no feriado de 12 de outubro de 1931.


Trem do Corcovado

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro, está localizado na zona sul da cidade e foi criado em junho de 1808 sob as ordens de Dom João, com o objetivo de criar uma fábrica de pólvora na região e um local para adaptar espécies de plantas trazidas de Portugal, países da Europa e outras colônias portuguesas.

As atrações do Jardim Botânico são diversas, começando pela fauna e flora do local, com espécies naturais do Rio de Janeiro e trazidas de diversas partes do mundo. Além disso, há no local o Museu do Meio Ambiente, o Museu Casa dos Pilões, a Praça do Teatro, além de eventos como apresentações musicais, teatro infantil entre outras atrações que podem ser acompanhadas na parte de programação, no site do Jardim Botânico.

O horário de visitação ao arboreto do jardim de segunda à sexta é das 12h às 18h e às terças e domingos das 08h às 18h. Para consultar horários e valores de ingressos das outras atrações é importante verificar no site ou entrar em contato com a administração do jardim.

Fonte: Jardim botânico

O Centro do Rio de Janeiro é uma região muito frequentada por ser considerado com o centro financeiro da cidade, ao mesmo tempo em que possui diversos atrativos turísticos. O bairro se contrapõe entre edifícios residenciais, construções históricas e edifícios modernos.  A proximidade com bairros como Santa Teresa e Lapa também contribui para o intenso trafego de moradores e turistas pela região central.

Entre os pontos turísticos do centro histórico carioca, se destacam o Theatro Municipal, a Biblioteca Nacional, o Centro Cultural Banco do Brasil e o Paço Imperial.

Após a execução do plano piloto de urbanização na região da Barra da Tijuca, o centro do Rio sofre bastante com a desvalorização de imóveis. Porém nos últimos anos, a região vem atraindo muitos turistas e se renovando como polo financeiro da cidade. Unindo atrativos em áreas como lazer, gastronomia, vida noturna, comércios, serviços e muito mais. Além de ser uma região estratégica como ponto de partida para os outros bairros da cidade, facilitando a vida de um visitante que pode se hospedar pela região, passar o dia conhecendo as praias cariocas e voltar para a região central para curtir a noite na Lapa, bem pertinho de algum hotel ou hostel pelo centro.

 

Hoje em dia a Barra da Tijuca é conhecida como um bairro nobre da zona oeste do Rio de Janeiro, porém o bairro é relativamente novo, até o início da década de 70 a região praticamente não tinha casas, era composta por terrenos com vegetação rasteira e alagadiços. Além do fato de que boa parte das terras pertenciam à poucas empresas e organizações.  A região era considerada de difícil acesso para quem precisava frequentar o centro e a zona sul do Rio. Com isso, essas empresas e alguns moradores do Rio de Janeiro compraram terrenos na Barra com uma forma de investimento, apostando na valorização do bairro.

Com a especulação imobiliária na região no início da década de 70, o governador do estado Francisco Negrão de Lima, convidou Lucio Costa, urbanista responsável pelo plano piloto de Brasília, para elaborar um plano para a região da Barra da Tijuca. Parte do que foi planejado de fato foi construído, mas alguns elementos desse plano ficaram apenas no papel.

Porém a ideia de valorizar a região deu certo, principalmente em meados da década de 70 e início dos anos 80, quando foi inaugurado o famoso Barra Shopping entre diversas outras opções em comércio e serviços pela região.